×

O papel das engenharias na geração de energias renováveis

VEJA COMO O CREA-PR TEM ATUADO PARA MELHORAR A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

FONTE: PIXABAY

As energias renováveis são energias resultantes de recursos renováveis, ou seja, são inesgotáveis. Entre elas estão a energia hídrica, maremotriz, geotérmica e as novas energias, como a solar, eólica e de biomassa. Hoje, as fontes alternativas de energia no Brasil representam 84% da matriz energética, sendo a água, o vento, a biomassa e o sol as mais utilizadas. A energia hidrelétrica é responsável por 63,02% da geração total, seguida pela eólica, com 9,29% de geração, e pela energia de biomassa, com 8,75%.

O Brasil é um dos países mais cotados para a utilização de todo o potencial de fontes alternativas, sobretudo por questões socioeconômicas, que prometem contribuir para a geração de empregos diretos e indiretos com a implementação de sistemas de energia renovável. Diante deste cenário, a atuação do engenheiro é imprescindível. O conselheiro do Crea-PR, engenheiro eletricista Ricardo Bertoncello, usa como exemplo a energia solar. “É papel do engenheiro eletricista o dimensionamento do sistema, o projeto e a instalação. Já o engenheiro civil faz o cálculo estrutural, cálculo de suportabilidade de telhado. No caso de a usina ser instalada no solo em local que precisa de remoção de vegetação, então também é essencial a participação do engenheiro ambiental”, avalia Bertoncello. Ele segue contando que isso também vale para a energia eólica, e todas as demais. Essa importância tem dois fatores fundamentais:

Financeiro: qualquer pessoa, ou empresa, que decida investir em geração de energia, faz isso pensando no retorno do investimento. Neste momento entram os estudos de viabilidade e de retorno de investimento, payback, taxas, rendimento e rentabilidade. “Tudo isso deve ser muito bem analisado para não frustrar as expectativas do investidor”, conta Bertoncello. 

Técnico: “Fazer um projeto que seja viável tecnicamente. Hoje, há vários leigos atuando, principalmente na energia fotovoltaica, devido à popularização do sistema, os benefícios econômicos trazidos através da sua instalação e os incentivos financeiros para sua aquisição. Isso gerou acidentes, como quedas de telhados, de outras estruturas, inversores elétricos derretendo, entre outros problemas”, reforça Bertoncello.

Fiscalização da área de energia

O Plano de Fiscalização está disposto nos artigos 45 e 46 (alínea “e”) da Lei n.o 5.194/66, em que as Câmaras Especializadas de Engenharia dos Creas devem elaborar normas para a fiscalização das respectivas especializações, estabelecendo diretrizes e fazendo cumprir o objetivo maior do Conselho, que é promover a defesa da sociedade e a fiscalização das atividades profissionais.

Todas as áreas ou segmentos para as atividades de fiscalização estão previstas nos manuais de fiscalização e compõem as fiscalizações de rotina, que não necessitam de programação prévia. E isso inclui a energia renovável. “De maneira geral as energias renováveis estão inseridas na rotina de fiscalização do Crea-PR, porém com forte demanda em energia fotovoltaica. Recentemente foi implantado um novo formato de fiscalização de ficha cadastral em empresas de forma remota, tornando possível fiscalizar mais empresas da área”, conta o conselheiro do Crea-PR, engenheiro eletricista Ricardo Toyama. Ele afirma que, ao fiscalizar as atividades, o Crea-PR contribui para que profissionais devidamente habilitados estejam no comando, orientando no processo de dimensionamento e execução das instalações. “O resultado é o melhor aproveitamento da capacidade de geração, eficiência para o setor elétrico, segurança para os usuários, tanto no quesito aterramento e instalações elétricas, como na suportabilidade das estruturas, entre outros benefícios”, completa Toyama.

Neste ano, até julho, o total de Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) emitidas na modalidade Engenharia Elétrica no Paraná foi de 44.987. Destas, aproximadamente 18.000 são de atividades relacionadas às energias renováveis.

“Neste ano, o total de ARTs emitidas para atividades relacionadas às energias renováveis foi de 18.000, representando 40% entre as 44.987 na área de Engenharia Elétrica”.

Deixe seu comentário

Deixe seu e-mail